Futuro do ensino da Engenharia no Brasil, impactado pela evolução tecnológica, será tema de conferência

Futuro do ensino da Engenharia no Brasil, impactado pela evolução tecnológica, será tema de conferência

por Vinícius Sayão – Fonte: IEA/USP

No dia 14 de setembro, às 9h30Paul Gilbert, CEO da Quanser (foto acima), uma das maiores empresas de material didático do planeta, fará uma conferência sobre o futuro do ensino da engenharia no Brasil, que passa por uma fase de transição, causada pela evolução tecnológica. A Nova Ordem na Educação em Engenharia: Desafios e Perspectivas, será em inglês, sem tradução simultânea, com transmissão ao vivo pela internet e inscrição prévia para participação presencial.

No evento, que acontece no Auditório da Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da USP (Poli), o CEO da Quanser será acompanhado pelos debatedores Luiz Bevilacqua, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professor visitante do IEA, e Mário Salerno, do Departamento de Engenharia de Produção da Poli e coordenador do Observatório da Inovação e Competitividade – NAP sediado no IEA, com moderação de José Roberto Cardoso, também da Poli. O IEA organiza o encontro em parceria com a Escola Politécnica (Poli) da USP.

Conhecedor profundo das tendências da educação em engenharia neste século, Gilbert buscará responder, juntamente com os debatedores, questões que têm sido debatidas para o estabelecimento de novas diretrizes para os cursos de engenharia do país, tais como:

  • Como garantir que o estudante de engenharia adquira as ferramentas necessárias que o habilite a buscar sozinho o conhecimento ao longo de sua carreira?

  • As tecnologias emergentes criam lacunas de conhecimento. Quão rápido o sistema educacional das engenharias deve reagir para prover as habilidades técnicas para preencher estes espaços?

  • Como podemos avaliar, através de certificações globais confiáveis e amplamente exequíveis, as habilidades não técnicas que gostaríamos que os estudantes de engenharia fossem dotados?

  • Que ideias criativas devemos ter para aumentar as habilidades fundamentais (técnicas e profissionais) nas regiões onde os recursos são limitados?

  • Como as universidades e as empresas devem trabalhar juntas para suprir as habilidades profissionais de nossos estudantes?

“A evolução tecnológica promoveu mudanças emblemáticas no sistema educacional ao quebrar a rigidez presente no século 20 e trazer fluidez e insegurança no século 21. Esta transição afetou muito a educação em engenharia em todo o mundo e alguns reflexos já se fazem sentir em nosso país”, comentou José Roberto Cardoso.


A Nova Ordem na Educação em Engenharia: Desafios e Perspectivas
14 de setembro, às 09h30
Auditório da Engenharia Mecânica – Escola Politécnica-USP, Av. Prof. Mello Moraes, 2231, Butantã, São Paulo, SP
Evento gratuito, com transmissão ao vivo pela internet
Inscrições via formulário
Mais informações: Sandra Sedini (sedini@usp.br), telefone: (11) 3091-3091-1678
Página do evento